Ainda pouco procurada pelos turistas Brasileiros, Alter do Chão ganhou reconhecimento internacional em 2009, quando foi citada pelo jornal inglês The Guardian como um dos 10 melhores destinos de praias no Brasil.

O destino fica na região norte do país, a cerca de 35km da cidade de Santarém. Sendo considerado ainda, uma das portas de entradas para a Região Amazônica. Ou seja: o que não faltam por aqui são belezas naturais impressionantes. Daí um dos motivos da indicação pelo Guardian.

Para além disso, Alter do Chão proporciona experiências únicas aos seus visitantes. Com trilhas pela floresta, mergulhos revigorantes no Rio Tapajós, encontros e compartilhamento de histórias em comunidades extrativistas e gastronomia super autêntica.

O que fazer em Alter do Chão ?

Alter do Chão é o destino perfeito para quem ama estar em contato com a natureza. O destino, como já citamos, é uma das portas de entrada para você viver experiências de tirar o fôlego na Floresta Amazônica.

Além disso, inúmeras ilhas e extensas faixas de areia branca banhadas pelas águas cristalinas esverdeadas do Rio Tapajós fazem a alegria dos visitantes, que podem curtir dias inteiros de muito sossego e tranqüilidade nas Praias de Alter de Chão.

Afim de descobrir os melhores pratos da Região Norte do País? Então confira nossa publicação da série Roteiros Gastronômicos do Brasil – Região Norte.

Praias de Alter do Chão

Formadas pela vazante do Rio Tapajós, as praias de Alter do Chão são um dos principais atrativos para quem visita a região. A mais famosa delas, sem dúvidas, é a Ilha do Amor, localizada bem em frente à orla. A Ilha é um braço de areia que divide o Lago Verde, à direita, e o Rio Tapajós, à esquerda. Quanto mais baixo o nível do rio e do lago, maior a ilha fica. 

O acesso é feito em uma canoa guiada pelos pescadores da Associação dos Catraieiros, ou na maré baixa, numa caminhada que leva em média 30 min na chamada Trilha da Serra da Piraoca, que inicia bem no centro da cidade.

A galera do Escolha Viajar traz essa super dica:

Você pode escolher entre ficar na faixa de areia voltada para o Lago Verde ou na voltada para o Tapajós. Quase todo mundo fica no Lago Verde, porque é onde venta mais para ajudar a refrescar o calor e também onde a cor da água é mais bonita. Tanto que todos os bares são voltados para esse lado da ilha. O lado do Tapajós é popular apenas no fim de tarde, pois é dele que se tem vista para o pôr do sol.

Escolha Viajar

Pindobal

Das praias de Alter do Chão, Pindobal é uma das mais visitadas. No município de Belterra, com acesso de barco ou por estrada de terra tem muitos bares e características parecidas com a Ilha do Amor. 

Ponta do Cururu

Ponta do Cururu é literalmente uma ponta de areia onde os botos bailam sobre as águas. O acesso é por barco ou caminhada a partir da Ilha do Amor. A Ponta do Cururu é muito procurada na hora do pôr do sol.

Pôr do Sol em Ponta do Cururu - Praias de Altar do Chão
Pôr do Sol em Ponta do Cururu – Foto: Guia Melhores Destinos

Tour do Lago Verde

Tour do Lago Verde em Alter do Chão, Pará
Tour do Lago Verde, Alter do Chão (PA) – Foto: Escolha Viajar

Entre as opções de que o que fazer em Alter do Chão o Tour do Lago Verde aparece como uma das obrigatórias para os turistas que visitam a região. O passeio é bem completo, passando por igarapés, praias e próximo a trilhas pela mata fechada que devem sem feitas com os guias locais.

O roteiro pode variar de barqueiro para barqueiro, mas em geral envolve o Igarapé do Camarão e o Igarapé do Macaco. Almoço e tarde na Praia do Pindobal, Ponta do Caxambu e pôr do sol na Ponta do Muretá.

No período de cheia do Rio Tapajós, os igarapés são substituídos pela Floresta Encantada, um trecho da floresta que fica submersa, com muitas árvores sendo vistas apenas pelo seu topo.

Igarapé do Camarão

No Igarapé do Camarão o guia mostra a extração do látex das seringueiras, frutas, árvores e alguns truques indígenas, como o repelente de formiga, a água de cipó, artesanato com folhas e até mesmo petisco de formiga.

Igarapé do Macaco

No Igarapé do Macaco a experiência do contato com a natureza exuberante dessa região do Brasil é ainda maior. “Você pode se pendurar nos cipós, mergulhar entre as árvores ou simplesmente boiar no meio da Amazônia. É uma experiência fantástica e única” (Blog Escolha Viajar).

Tour pela Floresta Nacional

Cercada pela beleza e biodiversidade da Floresta Amazônica, única no mundo, Alter do Chão é um lugar mais que especial para quem adora viver aventuras e experiências em meio a natureza.

Uma dessas experiências é o Tour pela Flona, sigla para Floresta Nacional, um tipo de área de preservação ambiental brasileira. “A Flona do Tapajós é famosa entre os amantes da natureza, mochileiros e europeus por promover uma trilha em plena floresta Amazônica.” (Blog Escolha Viajar).

Existem duas trilhas: uma na comunidade Maguari, onde a caminhada é de 16 quilômetros pela floresta e leva os viajantes até uma gigante árvore Sumaúma, com mais 1.000 anos. O mais impressionante é que é necessário 30 pessoas de mãos dadas para conseguir dar a volta no tronco da árvore; A outra trilha fica na comunidade Jamaraquá. Dela, parte a Trilha do Piquiá, que tem pouco menos de 10 quilômetros de extensão e leva você até uma Sumaúma um pouco menor e com 200 anos. Ainda assim impressionante!

Flona Jamaraguá - Alter do Chão, Pará
Flona Jamaraguá – Foto: Guia Melhores Destinos

Por toda a trilha o guia vai mostrando outros tipos de árvores, cipós e frutas da floresta. A caminhada é toda plana, com um pouco de subida íngreme e descida no mesmo nível na volta. A experiência ainda inclui almoço com índios locais no retorno da trilha.

Fiona Jamaraquá - Alter do Chão (PA)
Fiona Jamaraquá – Foto: Melhores Destinos

Reserva Extrativista Tapajós – Arapiuns

O passeio de barco até a Reserva Extrativista Tapajós também inclui trilhas pela mata e visitas em projetos sociais e comunidades extrativistas. Em alguns do vilarejos existem pequena lojas de artesanato com vasto acerva de peças indígenas.

As visitas são organizadas por agências de turismo locais com roteiros que vão de 3 até 7 dias. Incluindo outros atrativos como tours pelas praias de Alter do Chão.

Festa do Sairé

Festa do Sairé tem origem no século 18, quando os jesuítas usavam música e dança para catequisar os índios, nas missões evangelizadoras pela bacia do Rio Amazonas. A religiosidade, ainda presente, foi misturada com manifestações ritmadas pelo carimbó e lundu e pelo “confronto” entre os botos cor-de-rosa e tucuxi (na verdade, duas agremiações folclóricas). As apresentações ocorrem em setembro, na praça conhecida como “Sairódromo”.

Festival das Águas

As questões do meio ambiente e com a preservação da cultura indígena, são sem dúvidas, extremamente importantes nos dias atuais. E partindo dessa importância, o Festival das Águas apresenta-se não só como mais um dos atrativos de Alter do Chão, mas principalmente como um lugar de debates e discussões sobre essas e muitas outras temáticas relacionadas a preservação ambiental.

Durante o evento são convidadas personalidades da musica regional e internacional, mostras de cinema, gastronomia e ainda ouvir muitas histórias compartilhadas sobre a região do Norte do Brasil.

Como chegar em Alter do Chão

Ledo engano pensar que chegar em Alter do Chão, região cercada pelas belezas amazônicas, é uma tarefa complexa. A vila está localizada apenas 35km do Aeroporto de Santarém (STM), onde voos chegam diariamente de Belém, Manaus e Brasília.

Há voos diretos operados pela Latam (Brasília); Gol (Belém e Manaus) e Azul (Belém e Manaus). Quem já estiver no Pará ou em Manaus poderá ainda aproveitar os voos da companhia aérea MAP, com partida de Altamira e Manaus.

É possível também chegar de barco até Santarém. Neste caso, o tempo da viagem irá variar de acordo com a cidade de partida. Saindo de Manaus serão duas noites de viagem, já a partir de Belém serão três noites navegando pelo Rio Amazonas. Vale cada segundo!

Quando ir em Alter do Chão

Saber qual a melhor época para ir em Alter do Chão é a informação mais importante para quem está planejando uma viagem ao destino. A região muda muito de acordo com o volume de chuvas, impactando diretamente na beleza e acesso dos seus atrativos.

Entre agosto e janeiro, meses de vazante do Rio Tapajós, formam-se as praias de Alter do Chão, com areia branquinha e o vilarejo recebe um grande número de turistas. Quem busca passeios de barco em meio à floresta e quer ver muita vida animal, o mais recomendado é viajar no chamado inverno amazônico, temporada de chuvas que vai de de janeiro a julho.

Clique aqui e confira as melhore dicas para planejar sua próxima viagem.

Gostou? Compartilhe nas suas Redes Sociais! :)